segunda-feira, 20 de abril de 2015

Analise junguiana do conto "O Gato de Botas" dos irmãos Grimm

O Gato de Botas é um conto de fadas publicado por Charles Perrault em 1697. Os irmãos Grimm também publicaram uma versão desse conto. O gato ficou muito famoso por sua participação na animação Shrek.
Usarei para a análise a versão dos Grimm. O conto nos fala sobre o filho caçula de um moleiro que herda do pai um gato de estimação, enquanto os mais velhos herdam o moinho e um burro. O rapaz, que ficou indignado com a escolha, descobre que o gato fala e este lhe pede um par de botas.
Ao ganhar as botas o gato consegue convencer um rei muito poderoso de que pertence a um conde, e assim consegue ao seu dono a mão da princesa em casamento e com a morte do rei, o rapaz herda o trono.
O moleiro é uma figura interessante! Sob o ponto de vista de um camponês ele seria uma pessoa que não trabalha de verdade, pois ele usa a astúcia para fazer os elementos da natureza trabalharem para ele. A inteligência do moleiro o aproxima do deus Hermes, no entanto essa inteligência pode ser usada tanto para o bem como para o mal.
Ele possui três filhos homens e nada é mencionado a respeito de uma esposa. Podemos observar aí que falta o elemento feminino e existe, portanto, um exagero na atitude masculina. O pai morre essa totalidade masculina é quebrada, fragmentada.
O gato é um animal associado comumente ao feminino. No Egito antigo tínhamos a deusa Bastet, representada com cabeça de gato, que estava associada à fertilidade e era protetora das mulheres. Em uma das lendas gregas, a deusa Artemis, protetora das mulheres, se transforma em gato para fugir para o Egito.
A deusa Hécate também se transformou em gato. A nórdica Freya, deusa da sensualidade, do sexo, da beleza e do amor, tinha seu carro puxado por dois gatos.
O gato então está associado à Lua, à feitiçaria e às bruxas. Muitos gatos foram queimados durante a Inquisição, pois juntamente com o feminino ele passou a ser associado somente ao lado demoníaco e seu lado criativo e fecundo reprimido.
Além disso, o gato está associado à consciência e a independência.
Podemos supor então, que no conto, o gato – apesar de ser macho - representa os aspectos do feminino reprimido, como a sua sexualidade, sua individualidade, independência, a intuição e astúcia.
O gato de botas está ligado também a figura de Hermes – afinal ele provém do pai do rapaz – e por essa razão ele faz o papel de psicopompo do rapaz. Psicopompo é uma palavra que tem origem no grego psychopompós, junção de psyché (alma) e pompós (guia) e designa um ente cuja função é guiar ou conduzir a percepção de um ser humano entre dois ou mais eventos significantes.
Ele é um guia, um ente que leva o rapaz ao encontro do seu feminino e da sua personalidade mais profunda. O gato, então pode ser considerado um símbolo da união do princípio feminino e masculino.
Temos então a figura do rei com a sua filha (nesse reino também não há rainha). O rei nos contos de fadas costuma estar doente, ou velho e precisa de um substituto. No caso do conto o substituto, não é um rapaz nobre, mas alguém da camada mais pobre, que usa de astúcia e inteligência, o que é algo extremamente incomum nos contos de fadas.
A origem humilde do herói significa que a renovação da consciência vem de aspectos ignorados e desprezados pela consciência.
Em termos pessoais vemos esses aspectos desprezados na função inferior de cada indivíduo. No conto podemos supor que a função pensamento é extremamente valorizada, ao ponto do exagero, enquanto que a sua oposta, o sentimento (muitas vezes associada ao feminino) foi desvalorizada.
O conto Gato de Botas possui um caráter duvidoso, pois o herói consegue as coisas por meio da astúcia do gato. Mas todos os conteúdos do inconsciente possuem um caráter amoral. A consciência é que separa em bem e mal.
E por isso o conto nos traz uma importante lição: a da esperança de que mesmo o mais medíocre pode ter sucesso na vida. E que muitas vezes aquilo que nos parece mal pode ser o bem e o que parece bem pode ser um grande mal. Mas que o mais importante para prosperarmos é estarmos em conexão com nosso eu mais profundo, com nossas intuições e instintos e que devemos buscar ouvir o nosso inconsciente para conhecermos essa realidade profunda.
Por  HELLEN REIS MOURAO  : Analista junguiana. Formada em psicanálise e psicologia analítica. Especializada em Mitologia e Contos de Fadas. 

sábado, 18 de abril de 2015

Os Filhos (Do Livro "O Profeta") Kahlil Gibran

Uma mulher que carregava o filho nos braços disse: "Fala-nos dos filhos."
E ele falou:
           
Vossos filhos não são vossos filhos.           
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.           
Vêm através de vós, mas não de vós.           
E embora vivam convosco, não vos pertencem.           
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,           
Porque eles têm seus próprios pensamentos.           
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;           
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,           
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.           
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,           
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.           
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.           
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força          
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.           
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:           
Pois assim como ele ama a flecha que voa,           
Ama também o arco que permanece estável. 


BIOGRAFIA:
Seu nome completo é Gibran Kahlil Gibran. Assim assinava em árabe. Em inglês, preferiu a forma reduzida e ligeiramente modificada de Khalil Gibran. É mais comumente conhecido sob o simples nome de Gibran.
1883 - Nasceu em 6 de janeiro, em Bsharri, nas montanhas do Líbano, a uma pequena distância dos cedros milenares.
1931 -Morreu em 10 de abril, no Hospital São Vicente, em Nova York, no decorrer de uma crise pulmonar que o deixara inconsciente. 

quarta-feira, 1 de abril de 2015

SOU MULHER Geni Oliveira










 Recordando as mulheres, revivendo os momentos.
A imagem passando em meus pensamentos:
Uma Sarah recebendo seu Isaac nos braços
E Maria chorando seu Cristo amado
Uma negra explorada pelo rico senhor
Vi também condenadas lançada à prisão
Escutei os gritos de agonia e dor
Na ardente fogueira da Inquisição
Nos escritos narrados pelo então Mardoqueu
A Ester mediando seu povo judeu:
“Lhe suplico socorro, vossa majestade,
Que nos livre da morte meu desejo e vontade
” Olhei-me ao espelho, machucada e ferida.
Um tormento constante sem buscar a saída
Eu vi tudo perdido, foi então que chorei:
Com os meus pés calejados, eu caí, levantei!
Fui vivendo o momento sem pensar em maldade
Revoltei-me dizendo: e a dignidade?
Ao redor pude ver não estava sozinha
Muitas outras mulheres andam na mesma linha.
Escutei um chorar e um frágil gemido.
Era um ser humano que estava comigo
Segurei em meus braços sentindo a feição
Era linda mulher ou um belo varão
Meu olhar de esperança ao céu elevei.
E o sol que brilhando a Deus confessei
Posso ter sufocado, mudado a conduta.
Sou mulher de verdade, não desisto da luta!
Como lírios do campo, sou mulher natureza.
Sou a força, a raça, tenho a minha beleza.
Vi minhas asas abertas de amor e verdade
Sou futuro, sou a mãe da humanidade!


(poesia retirada do livro” Kizomba Literária na EMEF Professora Marili Dias” , paginas 17 e 18)



Geni Oliveira nasceu em São Bernardo do Campo, em 1961. Teve uma infância muito difícil. Trabalhou como empregada doméstica durante muitos anos. Depois de adulta, casada, mãe de três filhos, foi trabalhar numa escola pública, onde teve a oportunidade de voltar estudar e completar o ensino médio. Hoje, aos 50 anos, tem centenas de poesias que são marcadas por sua trajetória de luta, sofrimento, perseverança e vitórias. Teve seu primeiro livro publicado em outubro de 2010, Lida em poesias, através do “Projeto de Geração de Renda a Partir de Talentos”, promovido pela Pastoral da Mulher da Região da Brasilândia.




 

segunda-feira, 23 de março de 2015

DÚVIDAS PASCOAIS- Antonio Rocha Neto



TEATRO

Personagens
Carlinhos; menino, idade das perguntas.
Jorge; Pai.
Marta; mãe.
Rogério; colega do pai.
Cenário; Uma sala de estar, onde o pai lê o jornal sentado no sofá, o menino com uma sexta de páscoa come um pedaço  de  chocolate, no chão.Um telefone.


Carlinhos  - Papai, o que é Páscoa?
Jorge - (sem tirar o olho do jornal) Ora, Páscoa é...... Bem...... É uma festa religiosa!
Carlinhos  - Igual Natal?
Jorge - É parecido.(olha pro filho) Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressurreição (volta a ler o jornal).
Carlinhos  - Ressurreição?
Jorge - É, ressurreição. (grita) Marta, vem cá!
Marta - Sim?(em off)
Jorge - (falando alto para a Marta que ainda não apareceu na sala) Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu (Marta aparece) poder ler o meu jornal.
Marta - (Abaixa-se junto ao filho) Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu?
Carlinhos  - Mais ou menos....... .Mamãe, Jesus era um coelho?
Marta - Que é isso menino? Não me fale uma bobagem dessas! Coelho! Jesus Cristo é o Papai do Céu! Nem parece que esse menino é cristão! Jorge, esse menino não pode crescer desse jeito, sem ir na igreja pelo menos aos domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensou se ele solta uma besteira dessas na escola? Deus me perdoe! Amanhã mesmo vou matricular esse moleque no EBD!
Carlinhos  - Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus?
Marta - É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso na Escola Bíblica Dominical. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
Carlinhos  - O Espírito Santo também é Deus?
Marta - É sim.
Carlinhos  - E Minas Gerais?
Marta - Sacrilégio!!!
Carlinhos  - É por isso que a Ilha da Trindade fica perto do Espírito Santo?
Marta - Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe entende direito. Mas se você perguntar na EBD a professora
explica tudinho!
Carlinhos  - Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
Marta - (levantando-se) Eu sei lá! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de presente ele traz ovinhos.
Carlinhos  - Coelho bota ovo?
Marta - Chega! (Marta sai) Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais!
(Carlinhos  volta a comer...)
Carlinhos  - Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa?
Jorge - Era, era melhor, ou então urubu.
Carlinhos  - Papai, Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, né? Que dia que ele morreu?
Jorge - Isso eu sei: na sexta-feira santa.
Carlinhos  - Que dia e que mês?
Jorge -??????? (para de ler o jornal) Sabe que eu nunca pensei nisso? (olha pro filho) Eu só aprendi que ele morreu na sexta-feira santa e ressuscitou três dias depois, no sábado de aleluia.
Carlinhos  - Um dia depois.
Jorge - Não, três dias.
Carlinhos  - Então morreu na quarta-feira.
Jorge - Não, morreu na sexta-feira santa....... Ou terá sido na quarta-feira de cinzas? Ah, garoto, vê se não me confunde! Morreu na sexta mesmo e ressuscitou no sábado, três dias depois! Como? Pergunte à sua professora de Ensino Biblico!
(O pai volta a sua leitura... tempo de silêncio... menino olha na janela...)
Carlinhos  - Papai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
Jorge - É que hoje é sábado de aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
Carlinhos  - O Judas traiu Jesus no sábado?
Jorge - Claro que não! Se ele morreu na sexta!!!
Carlinhos  - Então por que eles não malham o Judas no dia certo?
Jorge - É, boa pergunta. Filho, atende o telefone pro papai. Se for um tal de Rogério diz que eu saí.
Carlinhos  - Alô, quem fala?
Rogério  - Rogério Coelho Pascoal. Seu pai está? (este texto pode ser suprimido ou falado em off)
Carlinhos  - Não,  o pai foi comprar um ovo de Páscoa pra mim. Ligue mais tarde, tchau.
Carlinhos  - Papai, qual era o sobrenome de Jesus?
Jorge - Cristo. Jesus Cristo.
Carlinhos  - Só?
Jorge - Que eu saiba sim, por quê?
Carlinhos  - Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não acha?
Jorge - Coitada!
Carlinhos  - Coitada de quem?
Jorge - Da sua professora de ensino bíblico.
Palco escurece

domingo, 15 de março de 2015

DICAS DE LEITURAS ATRAENTES PARA CRIANÇAS QUE ESTÃO ENTRANDO NA ADOLESCÊNCIA



 Partindo da tradicional saga do herói que sai para cumprir uma missão (salvar a princesa, matar o dragão, etc.), este livro inverte todos os clichês do gênero, compondo uma trama original da qual o leitor participa como se fosse um livro interativo.

Roger é um príncipe que faz todo o mundo rolar de rir à sua volta. Por essa razão, o mago da corte, J. Imago Mago, propõe a Roger uma busca. Ele terá de atravessar a Floresta Para Sempre, a Divisa Perversa, o Vale da Vingança e outros lugares terríveis, para só então descobrir o que estava procurando. No fim das contas, contagiados pelo bom humor, descobrimos que a busca de Roger é a busca de todos nós.Jules Feiffer é roteirista e cartunista do jornal Village Voice. Este é o seu segundo romance para jovens. O homem no teto (Cia. das Letras, 1995) foi o primeiro.




A MÁQUINA FANTABULÁSTICA -Saueressig, Simone
Joaquim, um menino que quer se tornar adulto o mais rápido possível, mora em um prédio em que não tem o 13º andar: o elevador pula do 12º para o 14º piso, por superstição do arquiteto e do engenheiro que o projetaram. Um dia, misteriosamente, o elevador para no andar que não existia e Joaquim acaba encontrando um mundo fantástico, onde redescobre o prazer de ser criança.










 "Diário de um Banana" é uma série super engraçada do autor Jeff Kinney que começa com o livro:

Diário de um Banana, um Romance em Quadrinhos. Lançado em 2008.


Sinopse: Não é fácil ser criança. E ninguém sabe disso melhor do que Greg Heffley, que se vê mergulhado no ensino fundamental, onde fracotes subdesenvolvidos dividem os corredores com garotos mais altos, mais malvados e que já se barbeiam. Em Diário de um Banana, Greg nos conta as desventuras de sua vida escolar. Em busca de um pouco de popularidade (e também de um pouco de proteção), o garoto se envolve em uma série de situações que procura resolver de uma maneira muito particular. No primeiro livro da coleção, o autor e ilustrador Jeff Kinney nos apresenta um herói improvável e encantador. Um garoto comum às voltas com os desafios da puberdade.

Segundo livro:
Diário de um Banana, Rodrick é o Cara. Lançado em 2009.


Sinopse: Faça o que quiser, só não pergunte a Greg Heffley como foram suas férias de verão, porque ele realmente não quer falar sobre isso. De volta às aulas, Greg está ansioso para enterrar de vez os últimos três meses...e um acontecimento em particular. Mas seu irmão mais velho, Rodrick, não vai deixar que as coisas caiam no esquecimento assim tão fácil. Ele é testemunha de um "pequeno" incidente que Greg quer manter em sigilo. Mas sabe como são os segredos, não é? Logo, logo estão na boca do povo, especialmente quando há um diário envolvido na confusão.


Terceiro Livro:
A Gota D'Água. Lançado em 2010.


Sinopse: Greg não toma jeito mesmo. E a cada dia se envolve em mais confusão. O difícil é fazer seu pai engolir esse “talento” de Greg para se meter em situações embaraçosas. Ele já está por aqui com o garoto. E para botar algum juízo na cabeça dele, Frank Heffley tenta de tudo um pouco. É claro que Greg sempre encontra uma maneira de estragar tudo. Até que seu pai faz uma grande ameaça e as coisas mudam de figura. Qual será a gota d´água que vai fazer a paciência de Frank transbordar de vez?

Quarto Livro:
Dias de Cão. Lançado em 2011.


Sinopse: Férias de verão - o tempo está lindo, e toda a garotada está se divertindo ao ar livre. Onde está Greg Heffley? Dentro de sua casa, jogando videogame com as cortinas fechadas. Greg, um "caseiro" assumido, está vivendo sua derradeira fantasia de verão: nada de responsabilidades e regras. Mas sua mãe tem uma visão diferente para um verão ideal... muitas atividades fora de casa e "união de família".

Quinto Livro:
A Verdade Nua e Crua, Lançado em 2011.


Sinopse: Greg Heffley sempre esteve com pressa para crescer. E agora isto realmente está acontecendo. Greg, de repente se vê lidando com as pressões que as meninas deixam, as responsabilidades aumentaram, junto com as mudanças estranhas que começam com o puberdade, tudo sem o seu melhor amigo, Rowley, ao seu lado. Greg pode cuidar disso sozinho? Ou ele terá que enfrentar a realidade? ( Tradução Tudo Sobre Livros).

6ª Livro:
Cabin Fever


Sinopse: Em Breve...











Livro Adicional:
Diário de um Banana Faça Você Mesmo, lançado em 2010.
Sinopse: Agora você pode ser um banana igualzinho ao Greg. Um livro cheio de atividades, histórias em quadrinhos e muito mais. Conte a sua história e mantenha este diário muito bem guardado. Pois quando você ficar famoso ele vai valer uma fortuna!