sábado, 14 de janeiro de 2017

597 cartas de amor por Merari Tavares

Quando retornou das férias de final de julho, Kamila Bertolini não imaginava a confusão em que estava prestes a se meter. Entre convivência e namoro, ela e Leonardo Fernandes já estavam juntos havia mais de cinco anos, e até faziam planos para se casar. Porém, quando ela conhece Gustavo Mattos, um jovem um ano mais novo (17 anos de idade), durante o trajeto para o curso e se tornam grandes amigos, o seu namoro é colocado em risco. O que fazer quando seu melhor amigo parece se tornar mais interessante que seu namorado? Gustavo não medirá esforços para conquistar seu coração, mesmo sabendo que ela namora há anos e tenha levado um xeque-mate ao saber que não teria nenhuma chance com ela. Robusto, cabelos castanhos, corpo atlético e aquela barba por fazer – que fazia Mila suspirar – esse é o Gustavo. Calmo, tranquilo, alto, magro e tímido... Ah! Esse é o Léo, o garoto que conquistou o coração de Mila aos 14 anos de idade, mas que agora está prestes a perdê-la para um novo grande amigo. Ela que tem um coração enooorme, escritora apaixonada que tem uma alegria contagiante e mil histórias para contar, cheia de carinho e atenção com qualquer pessoa; que é romântica, cheia de sonhos, sonha com o príncipe encantado e tem uma inspiração que faz virar história ou livro tudo o que vê... Essa só podia ser a autêntica protagonista da história: Mila Bertolini. 597 Cartas de Amor, amar e recomeçar... Vale a pena tentar?

Scortecci Editora - Memórias
fonte:http://www.asabeca.com.br/

domingo, 8 de janeiro de 2017

As cordas Mágicas - Mitch Albom


Em primeiro lugar, gostaria de desejar aos leitores que acompanham meu Blog, um Feliz  2017! Que possamos continuar viajando na nossa sala de leitura encantada por muitos e muitos anos!
Este romance foi o primeiro livro que escolhi para iniciar o ano. Minha escolha se deu por dois motivos: o primeiro porque é um romance que fala de música e o segundo é a grande ligação da música com elementos da nossa vida. O livro nos faz refletir sobre nossa mania de complicar tudo e a música é a protagonista que tem o poder de transformar por onde toca.
O livro começa com o velório do personagem principal Francisco Presto. A leitura fica interessante, na medida que vamos conhecendo a história deste personagem. Uma história de momentos triste e de superação de Francisco Presto.
Sinopse:
“Francisco Presto nasceu numa pequena cidade da Espanha em plena guerra civil. Com a infância marcada por tragédias, Frankie se torna pupilo de um professor de música cego, que se dedica a lhe ensinar tudo o que sabe. Ao completar 9 anos, ele foge para os Estados Unidos carregando consigo apenas seus bens mais preciosos: um violão e seis cordas mágicas. Com um talento fora do comum para tocar e cantar, Frankie rapidamente alcança o estrelato e influencia o cenário musical do século XX, apresentando-se ao lado de nomes consagrado como Elvys Presley e Little Richards. No entanto, seu dom se transforma em um terrível fardo quando ele percebe que pode afetar o futuro das pessoas: uma corda de seu violão fica azul cada vez que uma vida é alterada. No auge do sucesso, assombrado por seus erros e por seu estranho poder, Frankie sai de cena por anos, apenas para ressurgir para um espetacular e misterioso adeus."


domingo, 18 de dezembro de 2016

UM CONTO DE NATAL-Charles Dickens


Tradução de Alexandre Boide
Incluindo estudo sobre o autor, sua época e sua obra
Ebenezer Scrooge é um homem avarento e solitário.Odeia o Natal e tudo o que ele representa. Ignora familiares, empregadose não sabe o que é compaixão. Mas a aparição de um visitante-fantasma o fará repensar seu comportamento e despertará sentimentos aparentemente adormecidos.
Ambientada numa Londres gelada, às vésperas do esperado 25 de dezembro, Um conto de Natal é uma das mais belas e conhecidas histórias do gênero. Escrita às pressas em 1843 para pagar as dívidas de seu autor, Charles Dickens (1812-1870), foi um sucesso imediato de público e crítica. Por meio dessa sátira social – adaptada diversas vezes ao cinema –, Dickens teve um papel fundamental no resgate do espírito de bondade e solidariedadedas tradições natalinas.
A coleção



A coleção de clássicos em HQ reúne títulos que fazem parte do patrimônio literário mundial. Adaptadas para o universo dos quadrinhos por uma equipe de renomados roteiristas e ilustradores belgas e franceses, as edições oferecem um rico painel sobre o autor e a obra, aliando a tradição dos clássicos à linguagem original dos quadrinhos.
É um coleção espetacular, publicada originalmente pela Editora Glénat com o apoio da UNESCO, órgão cultural da ONU que só chancela projetos de alto valor pedagógico.

domingo, 23 de outubro de 2016

Poema: Não há vagas – Ferreira Gullar

Não há vagas
O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão
O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras
– porque o poema, senhores,
está fechado:
“não há vagas”
Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço
O poema, senhores,
não fede
nem cheira.



Este poema escrito em 1963 ( ano em que eu nasci), pode ser analisado a partir de diferentes leituras as quais são influenciadas pelo cotidiano vivenciado por cada leitor;assim como, pelo olhar crítico e outros conhecimentos daqueles que tem formação técnica para tal análise. Embora escrito em 1963, mais de cinco décadas, expressa muito bem a realidade que estamos vivendo, de uma sociedade pobre , com um mercado de trabalho em crise e uma economia estagnada.

sábado, 15 de outubro de 2016

Sugestões de títulos de literatura infantil sobre sexo e sexualidade



Com o avanço da tecnologia, as formas de comunicação também avançaram, e não são só as pessoas adultas que estão cercadas de informações, mas as crianças também.
Na atualidade, em muitas escolas, a temática sexualidade infantil tem sido debatida, mas nem sempre educadores se sentem realmente seguros para direcioná-lo – ainda mais quando se trata de perguntas ou atitudes que exigem uma resposta ou intervenção rápida. Diante do exposto, esta postagem poderá auxiliar pais e professores quanto a isso. Primeiro é preciso criar um canal confiável de diálogo e, para tal, pode ser interessante que pais e professores atuem em conjunto. Em segundo lugar ao falar sobre a sexualidade com a criança procurar utilizar termos corretos, evitando apelidos, palavrões, etc. As respostas às perguntas devem ser feitas em uma linguagem acessível, de forma clara e objetiva, dizendo de forma simplificada exatamente o que a criança deseja saber, sem antecipar dúvidas. Caso não saiba a resposta (ou como responder), seja sincero, e busque o mais rápido possível dar esse retorno, ao invés de fingir que se esqueceu.
Outro material que poderá auxiliar os educadores, pais e responsáveis são as sugestões de títulos de literatura infantil sobre sexo e sexualidade:

DE ONDE VEM OS BEBES – Andrew Andry
SEXO E SEXUALIDADE- 6 A 10 ANOS – Cida Lopes
DE ONDE EU VIM – APRENDENDO SOBRE A SEXUALIDADE – Claire Llewellyn Mike Gordon
O PLANETA EU – CONVERSANDO SOBRE SEXO – Liliana Iacocca
OS MENINOS E AS MENINAS – Brigitte Labbe
O BEBE VEM COM CEGONHA – Patricia Engel Secco
SEXO NÃO É BICHO PAPÃO – Marcos Ribeiro
MAMÃE COMO EU NASCI – Marcos Ribeiro
MAMÃE BOTOU UM OVO – Cole Babete
MENINO BRINCA DE BONECA – Marcos Ribeiro
DE ONDE VIEMOS? – Peter Mayle Ed Nobel

Se eu Fosse Eu – Clarice Lispector


"Quando não sei onde guardei um papel importante e a procura se revela inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase "se eu fosse eu", que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar. Diria melhor, sentir.
E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser levemente locomovida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a serem elas mesmas, e mudavam inteiramente de vida. Acho que se eu fosse realmente eu, os amigos não me cumprimentariam na rua porque até minha fisionomia teria mudado. Como? Não sei.
Metade das coisas que eu faria se eu fosse eu, não posso contar. Acho, por exemplo, que por certo motivo eu terminaria presa na cadeia. E se eu fosse eu daria tudo o que é meu, e confiaria o futuro ao futuro.
"Se eu fosse eu" parece representar o nosso maior perigo de viver, parece a entrada nova no desconhecido. No entanto tenho a intuição de que, passadas as primeiras chamadas loucuras da festa que seria, teríamos enfim a experiência do mundo. Bem sei, experimentaríamos enfim em pleno a dor do mundo. E a nossa dor, aquela que aprendemos a não sentir. Mas também seríamos por vezes tomados de um êxtase de alegria pura e legítima que mal posso adivinhar. Não, acho que já estou de algum modo adivinhando porque me senti sorrindo e também senti uma espécie de pudor que se tem diante do que é grande demais".

(Texto extraído do livro A Descoberta do Mundo, Clarice Lispector, editora Rocco, pg. 156).

sábado, 1 de outubro de 2016

As dores e as delícias da Gestão Democrática- Professora Susete Mendes


Depois de sete meses como Diretora de escola, percebo que a construção de uma gestão democrática, não se faz apenas com minhas boas intenções e boa vontade, uma vez que deve ser discutida, compreendida e exercida, principalmente exercida, pelos estudantes, funcionários, professores, pais e mães de estudantes e ainda por toda comunidade do entorno. O trabalho é árduo e de longo prazo, pois se é verdadeira a afirmação de que para concretizar a gestão democrática, é fundamental a participação de todos os envolvidos no processo educativo, tanto na tomada de decisão, como no compartilhamento do poder; a reflexão, debate e pratica dela, deve ser naturalmente importante para todos. Mas, pergunto-me com frequência - Como afetá-los, sensibilizá-los?

Tenho vivido dias difíceis, pois, em algumas falas e atitudes de estudantes, pais de estudantes, professores e funcionários, percebe-se que muito do que está sendo feito, dito e combinado não tem importância ou significado para eles. Diante de comportamentos de negação as normas de convivência, como desrespeito ao próximo (bullyng, agressões verbais e físicas) e ao patrimônio público (pichação e depredação), muitos pedem ações opressoras, vigilância agressiva, muros altos, portas fechadas e câmeras espalhadas por todo canto da escola, entendendo essas ações como garantia do direito do professor ensinar e do aluno aprender. Quando chamados para o debate em encontros e eventos promovidos pela escola com o fim de resgatar os objetivos educacionais e revitalizar o espaço escolar, ainda poucos comparecem. E mais uma vez, me pergunto - Como envolve-los?

Quero e acredito numa escola sem muros, onde todos, professores, alunos, funcionários, gestores sintam prazer de estar e ficar; onde o respeito mútuo predomine e as atitudes de cooperação, solidariedade sejam praticadas naturalmente, pois, somente num lugar assim, será possível a democratização da educação, possibilitando não só o acesso e permanência de todos no processo educativo, mas também o sucesso escolar, o qual será reflexo de sua qualidade.
É triste que dentre tantas ações, após uma proposta de gestão democrática, nestes sete meses, ainda não tenha visualizado nenhuma que pudesse concretizar uma educação na qual predomine o diálogo e articulação colaborativa entre corpo docente, grupo gestor, funcionários, alunos e comunidade para o alcance dos objetivos educacionais. E mais triste ainda, constatar que no Séc. XXI com o fácil acesso a todo tipo de informações, a escola e a própria sociedade ainda não tenha entendido que o professor não tem mais o papel de “informar”, mas, de “formar” e portanto, faz-se necessário mudança de postura, estratégias de ensino, nas quais, sejam privilegiadas a formação global dos estudantes. É certo que avançamos na atuação dos colegiados, dando voz aos professores, alunos e comunidade, isto identifico como as “delicias” da gestão democrática, mas ainda temos dias nebulosos.


Optei pela transparência nas ações do grupo gestor, a começar pelo uso responsável das verbas públicas recebidas pela escola, pois acredito que a sua existência pressupõe a construção de um espaço público forte e aberto às diversidades de opiniões, contemplando a participação de todos que estão envolvidos com a escola.
Estou enfrentando a conflituosa realidade do corpo docente, o qual ainda está em processo de amadurecimento de uma postura de “reconhecimento da existência de diferenças de identidade e de interesses que convivem no interior da escola e que sustentam, através do debate e do conflito de ideias, o próprio processo democrático” (ARAÚJO, 2000 p. 134).
Pode-se perceber a dura e difícil tarefa que o Gestor tem que enfrentar no seu dia a dia, no sentido de promover e realizar ações educacionais que interfiram nesse quadro negativo e que efetive a educação de qualidade como direito do cidadão. Para mim a Gestão Democrática é uma meta que para ser alcançada deve ser avaliada, reorganizada e aprimorada diariamente, num longo percurso, o qual provavelmente, não poderei percorrer enquanto Diretora, porque em breve, terei de deixar a Direção, mas, talvez possa contribuir como educadora. Enquanto isso, prossigo na tentativa de encontrar respostas para as questões aqui levantadas, como também para outras que virão junto com as respostas.
No ápice das emoções, os trabalhos até aqui realizados me dão muito orgulho, pois sei que propiciei para professores e alunos alegria e esperança para construir uma escola de qualidade, claro que não fiz isso sozinha, estou sendo muito bem assistida pelas Assistentes de Direção e Coordenadoras Pedagógicas, porém sei que isso é só o primeiro passo diante de muitos outros que são e serão necessários para a escola que queremos.

Professora Susete Aparecida Rodrigues Mendes
São Paulo, 01 de outubro de 2016.